Como a medicina veterinária está ligada a saúde pública?

Como a medicina veterinária está ligada a saúde pública?

É comum pensar que a medicina veterinária trata somente dos animais, e diretamente é basicamente isso, no entanto todas as medidas implantadas na saúde animal tem como objetivo principal a preservação da saúde humana, visto que desta forma, a prevenção das doenças de origem animal que acometem o ser humano torna-se mais efetiva, e o verbete que diz que "prevenir é melhor que remediar" cabe muito bem nesse caso, já que torna-se mais barato investir em práticas de prevenção do que de tratamento quanto o assunto é a saúde. 

Desde 1933, quando o Presidente Getúlio Vargas assinou o Decreto Lei 23.133 que regulariza a profissão e ensino da Medicina Veterinária no Brasil, o seu princípio base da é esse, cuidar da saúde dos animais preservando a saúde do ser humano.

Isso mesmo! Essa profissão visa todo o cuidado e respeito com o animal, mas o objetivo final é prevenir que eles incidam alguma doença sobre o ser humano, como as zoonoses, que são as doenças transmitidas pelos animais, e ainda, doenças transmitidas através dos alimentos, as DTAs, que muitas vezes também são incidencia de produtos animais adoecidos ou produtos contaminados por excreções animais.

Tudo isso recai não só sobre o campo da medicina veterinária, mas também sobre a gestão da qualidade de alimentos, microbiologia e afins, estudando os fatores de causas e efeitos dessas doenças e tantos outros fatores que envolvem o trabalho de mantimento da boa relação entre animal e ser humano. 

Está tudo interligado - One Health

One Health é um novo conceito que vem sendo trabalhado como o conceito de saúde única e consiste no reconhecimento de que a saúde engloba diversos fatores e exige um esforço colaborativo para que sejam envolvidas e indissociáveis as saúdes pública, animal e humana. Esse princípio aborda a necessidade do cuidado com a saúde veterinária e o justifica se firmando na harmonia da humanidade como um todo.

As zoonoses correspondem a 62% das doenças existentes, tornando-se a maior causa de doenças na humanidade. Além disso, 75% das doenças emergentes também são zoonoses, como a COVID-19, apoiando-se na veracidade da tese de que os chineses consumiram morcegos que seriam os portadores do vírus, disseminando a contaminação.

Outro fato que ressalta essa interligação entre os sistemas de saúde foi a criação e integração do Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF) ao Sistema Único de Saúde (SUS). O programa é constituído por equipes multiprofissionais e, desde 2011, também compreende médicos veterinários nessas equipes graças a Portaria GM/MS nº 2.488 de 21 de outubro de 2011. Infelizmente, apenas a existência desta portaria não garante a sua efetividade pois as equipes são formadas de acordo com a região. É muito importante que todas essas equipes envolvam a veterinária, mas isso só ocorre quando a população compreende essa necessidade, logo, a divulgação da importância desses profissionais em meio a esse âmbito e como ela assiste a saúde como um todo é essencial para que cada região seja respaldada e assim toda a saúde pública exerça a prevenção contra às zoonoses e ainda, o cuidado para com os animais.

Campos integrados

Para que os profissionais da medicina veterinária exerçam esse papel perante a sociedade, além dos conhecimentos básicos é necessário que compreendam uma série de fatores que relacionam os animais aos humanos, aos alimentos e a alimentação, bem como os tipos de doenças dos animais nos humanos e como os seus vírus e parasitas agem no corpo. 

Desde 1998 esses profissionais estão inscritos na lista de profissionais da saúde pública, quando o Ministério da Saúde reconheceu a necessidade desses profissionais como parte desse grupo e o Conselho Nacional de Saúde os incluiu nele. Portanto, os profissionais médicos veterinários estão por todas as áreas da saúde, seja na produção de vacinas, medicamentos, seja trabalhando pela flora e fauna mantendo o equilíbrio do meio ambiente e, consequentemente, o da humanidade. O Departamento de Imunização e Doenças transmissíveis (DEIDT) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) é dirigido por um veterinário, e apesar deste fato ter gerado opiniões contrárias, essa decisão trata-se de uma estratégia muito assertiva visto que o departamento compreende ações como a investigação epidemiológica e de doenças emergentes, que como foi ressaltado, tem ¾ como causa principal alguma influência animal;  bem como supervisionar as ações de vigilância em saúde e coordenar a utilização de imunobiológicos e eventos associados à vacinação e imunização. 

O conhecimento de determinadas práticas de saúde, higiene, microbiologia e produção de alimentos é essencial para os profissionais da medicina veterinária que almejam ingressar esses campos de atuação. No INCURSOS esse profissional pode se especializar e exercer com maior propriedade essas funções através da especialização em Microbiologia Aplicada ao Laboratório Clínico e/ou do MBA em Gestão da Qualidade, Produção e Higiene de Alimentos. Acesse a grade curricular destes cursos e confira o que mais se encaixa ao que você busca para o seu futuro!