Mercado farmacêutico

Mercado farmacêutico

No atual cenário brasileiro, a situação não poderia ser mais aterradora. Apesar de fechar o 2° Trimestre de 2019 em queda, o desemprego no Brasil ainda bate na casa dos 12%, atingindo 13 milhões de brasileiros, segundo dados disponibilizados pelo IBGE. Em uma conjuntura tão calamitosa, além do número grande de desempregados, o número de pessoas que estão com seus empregos ameaçados também é grande. Curiosamente, a situação não parece se refletir no mercado farmacêutico. No ano de 2018, a área foi uma das que mais contratou (fonte: Quero Bolsa), e no início do ano de 2019, esse mercado figurava entre os que mais contratariam ao longo do ano, segundo uma reportagem da revista Veja.

Seus colegas estão em movimento.

As previsões animadoras não devem servir para os profissionais farmacêuticos caírem em zonas de conforto e se estagnarem profissionalmente, visto que ainda estamos em um quadro de crise.

Nessa lógica, sabe-se que cenários econômicos adversos estimulam as pessoas a se tornarem mais competitivas. A razão disso mora no fato de algumas delas estarem buscando formas de sair da situação de desemprego, ao passo que outras estão procurando formas de aumentar sua estabilidade profissional, visto que são nesses cenários que as empresas começam a cortar custos no sentido de garantir sua sobrevivência em meio a esse contexto tão incerto. É nesse momento que o emprego, até dos mais experientes, fica ameaçado, fazendo com que eles procurem se capacitar mais para se manterem estáveis em seus ofícios. Ou seja, uma crise econômica é, mais do que antes, a hora exata de buscar se qualificar, até porque seus colegas já estarão agindo nesse sentido.

A consequência disso recairá até nos recém-formados. Com os profissionais já atuantes se atualizando e trazendo novos insights e Know-how ao mercado, os currículos oferecidos pelas universidades tenderão a se defasar rapidamente, diminuindo as chances de uma contratação logo após a graduação. O que nos leva novamente à questão da qualificação: o recém-formado que buscar a reciclagem de seus conhecimentos e que for capaz de transparecer isso em seu currículo terá vantagens em relação a seus concorrentes.

Seu momento da virada.

No mar de alternativas disponíveis para se capacitar, consta frequentar palestras e conferências (será de grande valia se o evento emitir certificados), um curso técnico, e até realizar uma pós-graduação, seja ela na forma de uma especialização, MBA, mestrado ou até um doutorado.

A grande vantagem de uma especialização é o tempo e a profundidade na qual você estudará o assunto em questão, o que elevará seu senso de autoridade e seu valor perante ao RH e demais gestores da empresa em questão. Veja as especializações para a área de farmácia da Incursos, por exemplo, que possuem cargas horárias que permitem um aprofundamento do conteúdo sem torná-lo demasiadamente longo.

Na hora de buscar uma especialização, quais pontos devo observar para escolher um bom curso?  

Amélia Teratoko, farmacêutica bioquímica responsável pelo Laboratório Dom Bosco – empresa de Brasília com mais de 45 anos no mercado de análises e pesquisas clínicas –, quando perguntada sobre as características que um profissional farmacêutico valorizado pelo mercado possui, é enfática ao relatar que ele – principalmente aquele que atua em ambiente de pesquisas clínicas – deverá possuir um perfil investigativo, dispondo até de habilidades de gestão:

"Para ser um bom farmacêutico, os principais quesitos são: qualificação técnica, ter boa comunicação, ser um gestor financeiro, gestor administrativo e principalmente um mediador."

A importância de ser um bom gestor vem do fato de que, segundo ela, o dia a dia no laboratório é "dinâmico". Diante disso, Amélia complementa dizendo que: "todas as etapas de uma boa gestão precisam ser tratadas, desde o cliente até a etapa final que é a entrega do resultado".

Além dessas observações, Amélia também defende a união da prática com a teoria:

"O conhecimento acadêmico aliado a pratica é uma junção de soluções na qual o profissional irá encontrar várias respostas para situações que somente no dia a dia irão aparecer."

Em suma, buscar evoluir profissionalmente e pessoalmente é um objetivo que todos deveriam buscar a todo o momento, mesmo em cenários mais favoráveis. Um profissional proativo e que tem muito a oferecer às empresas será sempre mais valorizado e, a partir disso, gozará de vantagens profissionais. Ademais, como vimos, até os recém-graduados podem estar com seu currículo defasado, nesse sentido, a dica que fica é que você busque sempre se atualizar e se capacitar desde cedo para garantir sua empregabilidade.

Matéria cedida pelo Laboratório Dom Bosco

ANTERIOR PRÓXIMA