O Afogamento

O Afogamento

O calor, a temporada de férias e até mesmo a facilidade de acesso às praias, os rios, os lagos, as represas e as piscinas tem ocasionado no aumento de acidentes aquáticos. Portanto, seja por meio de lazer ou trabalho, tornou-se essencial uma orientação preventiva visando evitar o incidente mais grave na água, o do afogamento.

Considera-se como afogamento a aspiração de líquido, entrada nas vias aéreas (traquéia, brônquios ou pulmões), ocasionada pela submersão ou imersão. Geralmente o afogamento acontece na frente dos familiares e amigos cujo desconhecimento ou imprudência não lhes permite saber como reagir em casos assim. Também é diante dessas circunstâncias que a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (SOBRASA) tem propagado as múltiplas formas de prevenção ao afogamento em ambientes aquáticos. Inclusive, ela preparou um manual básico de emergências aquáticas com esse intuito.

Estimativas de óbitos por afogamento

- Águas naturais - 90%
Água doce - 75%
25 % rios com correnteza
20% represa
13% remanso de rio
5% lagoas
3% baía
2% cachoeiras
2% córregos
Praias oceânicas - 15%

- Águas não naturais - 8,5%
2,5% banheiros, caixas de água, baldes e similares
2% galerias de águas fluviais
2% piscinas
2% poço
Durante transporte com embarcações - 1,5%

Prevenção

As medidas de prevenção podem evitar cerca de 85% dos casos de afogamento, auxiliando na redução da mortalidade e na morbidade, que são as lesões por conta de doença, por afogamento. "A Associação Americana de Salvamento Aquático - "USLA", estima que para cada resgate realizado existam 43 casos de prevenção realizados pelos guarda-vidas em praias".

A prevenção é a medida cuja intenção é evitar o afogamento sem que haja o contato físico entre a vítima e o socorrista, sendo dividida em dois tipos: ativa e reativa. A prevenção ativa é aquela que inclui a sinalização de risco ou comportamento, como é o caso do uso das correntes de retorno; já a prevenção reativa é um tipo de ação que tem a intenção de driblar um afogamento iminente, sendo o exemplo do uso de apito pelo guarda-vidas. Já o socorro é qualquer ação de resgate em que há carência do contato entre o socorrista e a vítima. "Calcula-se que a possibilidade que uma pessoa tem de morrer por afogamento  quando em uma praia protegida por guarda-vidas é de 1 em 18 milhões (0000055%) (USLA)".

Especialize-se em Enfermagem Urgência e Emergência e UTI "Dupla Certificação".
 

Referências:

SZPILMAN, Dr David. Manual Emergências Aquáticas. Disponível em. Acesso em: 01 out. 2019.

ANTERIOR PRÓXIMA