A Balística Forense

A Balística Forense

Dentro da criminalística há uma disciplina denominada balística forense cujo intuito é estudar as armas de fogo, munição e os efeitos dos tiros por elas produzidos, isso quando possuir uma ligação direta ou indireta com infrações penais, tendo como objetivo esclarecer e provar sua ocorrência. 

Por meio de exames e das perícias, a balística forense busca provar a ocorrência de infrações penais, assim como elucidar a forma como aconteceram. Seu conteúdo é eminentemente técnico, contudo a sua finalidade específica é jurídica e penal, causa que lhe concede tal denominação.

Nesse tipo de perícia, além do papel de prova há um valor ainda mais agregado, pois dela depende a condenação ou absolvição de uma pessoa acusada que cometeu uma infração penal com arma de fogo. Nas palavras de Adalberto José Q. T. de Camargo Aranha apud Tocchetto, a balística forense detém uma condição além do meio probatório, ela alcança a posição intermediária entre prova e sentença.

"A prova tem como objeto os fatos, a perícia, uma manifestação técnico-científica, e a sentença, uma declaração de direito. Logo, a opinião, que é o objeto da perícia, situa-se numa posição intermediária entre os fatos e a decisão" (Da Prova no Processo Penal., 2ª ed., Editora Saraiva, 1987, p. 134 apud TOCCHETTO, p.25).

Mediante o desenvolvimento da Balística Forense, no decorrer do tempo, o seu conteúdo atingiu proporções que a justificam ser tratada como uma disciplina autônoma. Sua autonomia está presente também nos conteúdos e métodos de investigação e pesquisa.

Divisão da Balística

"Balística é a ciência e arte que estuda integralmente as armas de fogo, o alcance e a direção dos projetis por elas expelidos e os efeitos que produzem". (ROBERTO ALBARRACIN apud TOCCHETTO, p.26). Assim, ela se divide em três: Balística interna, balística externa e balística dos efeitos. 

A balística interna ou também conhecida como balística interior é responsável pelo estudo da estrutura, dos mecanismo de disparo, repetição e segurança, além de observar o funcionamento das armas de fogo e a técnica do tiro. A balística externa ou balística exterior é responsável pelo estudo da trajetória do projetil, isso desde quando abandona a boca do cano da arma até a sua parada final. Por fim, tem-se a balística dos efeitos, conhecida como balística terminal ou balística do ferimento, que observa os efeitos alcançados pelo projetil desde que abandona a boca do cano até atingir o alvo, seja ele um ser humano, um animal ou uma estrutura física.

Vem para a Especialização em Ciências Forenses - Perícia Criminal. 

Referências:

TOCCHETTO, Domingos. Balística Forense - Aspectos Técnicos. Disponível em: http://editoramillennium.com.br/trechos/Degusta%20Balistica%20Forense%209Ed.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

ANTERIOR PRÓXIMA